BARRAGEM SP

Nivaldo Godoy / Panais Bouki (Brasil)

BELO HORIZONTEEXPOSIÇÃO | EXBITHION


Casa do BaileSalão | Hall

obra | work

Como configuração de distopia, a obra almeja uma reflexão a partir de distintos aspectos e diálogos. Em uma primeira abordagem pode apontar para uma perturbadora super-Veneza, mas também consegue deter uma camada de significação simbólica e atávica ao remeter a cidades perdidas – verdadeiras ou míticas, como a grega Atlântida.

Em uma abordagem mais crítica e problematizante, se soma às discussões contemporâneas em relação às mudanças climáticas e ao manejo inconsequente dos recursos naturais. O rompimento da barragem da Samarco em Mariana, Minas Gerais, em novembro de 2015, é tomado como particularmente emblemático. Em um cenário que se aproxima do imaginário ficcional, casas e pessoas foram soterradas por um inimaginável deslocamento massivo de água e lama. No trabalho, a constante chuva e a onipresente água são totalizantes, imperiosas sobre quaisquer decisões e estratégias de sobrevivência.

bio

Nivaldo Godoy é  arquiteto e artista visual, audiovisual e transmídia Graduado pela Faculdade de Arquitetura e Urbanismo – Centro Universitário Belas Artes de São Paulo paralelamente desenvolve projetos artísticos. Panais Bouki é cenógrafo e designer 3D

Atuante nas áreas de planejamento, criação e desenvolvimento de projetos de cenografia e modelagem 3D para escritórios de arquitetura, artistas independentes, produtoras de conteúdo e agências de criação. Cria utilizando ferramentas de modelagem 3D, softwares de animação e design gráfico. Nas artes, dedica-se a projetos audiovisuais autorais em parceria com Nivaldo Godoy.